Capitão-tenente Luís Alberto Henriques Constantino

O Capitão-tenente Luís Alberto Henriques Constantino nasceu nas Caldas da Rainha a 16 de junho de 1981, tendo frequentado e concluído os seus estudos básicos e secundários em Rio Maior, localidade onde residiu desde tenra idade. Entrou para a Escola Naval em outubro do ano 2000, onde se licenciou em Ciências Militares Navais – ramo de Marinha – no ano de 2005.
Após a sua promoção a Guarda-marinha, em outubro de 2005, assumiu o cargo de 3º oficial do patrulha “Save” e, a partir de novembro de 2006 desempenhou a função de chefe do serviço de navegação na corveta “António Enes”. Em 2007 foi chefe do serviço de artilharia no navio-reabastecedor “Bérrio”.
Em setembro de 2008 conclui a especialização em Navegação, iniciada um ano antes. Presta então serviço na divisão de Navegação no Instituto Hidrográfico, como chefe da secção de instrumentos náuticos e publicações náuticas. No período que medeia entre 2009 e 2012, foi nomeado para exercer funções como oficial Navegador em diferentes unidades navais, nas quais se incluem o navio-hidrográfico “Almirante Gago Coutinho” e o navio-reabastecedor “Bérrio”.
Durante o período anteriormente referido, participou em diversos exercícios nacionais – das series INSTREX, CONTEX e LUSÍADA e na operação MANATIM na Guiné-Bissau.
A partir de junho de 2012, passou a desempenhar as funções de oficial Imediato na corveta “João Coutinho”, funções em que se manteve até dezembro de 2013. Desempenhou também funções como chefe do núcleo de Planeamento na Escola de Tecnologias Navais.
Em julho de 2017, após a frequência do Curso de Promoção a Oficial Superior, foi nomeado como chefe da secção de assinalamento marítimo na divisão de Navegação do Instituto Hidrográfico. E após a sua promoção a Capitão-tenente, foi nomeado como chefe do departamento de apoio do Comando da Zona Marítima dos Açores, onde se apresentou à 1 semana.

Entrevista

Explica da forma mais simples possível a tua especialização/investigação.
Oficial da Marinha Portuguesa especializado em Navegação;
Porque é que decidiste ser um investigador?
Pelo gosto em investigação e pela temática da Navegação;
Foi difícil estudar ciências nos Açores?
Estudei no Continente, no entanto foi complicado;
Qual é a parte favorita do teu trabalho?
Como estou nesta função à 1 semana, torna-se complicado fundamentar;
Que conselhos podes dar aos futuros investigadores?
Escolham uma área que gostem, depois torna-se uma paixão.